Futuro promete equipamentos mais duradouros. Por enquanto, cuidados devem ser redobrados.

O futuro garante baterias mais resistentes e duradouras. Mas, até lá, as atuais possuem um tempo de vida bastante variável, entre dois e quatro anos, a depender da qualidade da peça, manutenção e instalação elétrica do veículo. Clima e direção também influenciam na vida útil. Muitos equipamentos elétricos consomem mais energia e antecipam a necessidade de recarregar ou trocar o item. No caso dos veículos importados, o equipamento chega mais sensível. Afinal, são dias e meses dentro de portos e navios antes de chegar ao consumidor.

Alguns veículos já contam com a tecnologia de íon de lítio que tem o dobro da capacidade de energia de uma bateria normal e o risco de viciá-la é quase nulo. O gerador elétrico do carro é desenvolvido para suportar os itens de fábrica do veículo, por isso acessórios como som e alarme instalados a parte podem aumentar o consumo. Um alerta importante é sobre a troca da bateria enquanto o carro estiver ligado, isso faz com que o veículo perca a informação de recarga da bateria podendo jogar uma corrente mais alta que a necessária, danificando a parte elétrica.

Geralmente, se existir algo errado no equipamento uma luz acende no painel, o que indica que é hora de visitar um mecânico. Mas outros fatores também estão ligados ao mau funcionamento da bateria como partida pesada pela manhã, luzes mais fracas, líquido vazando pela bateria, alta exigência do alternador após as partidas e dificuldade de acioná-la depois de utilizar algum acessório. “Dar partida no veículo enquanto algum equipamento elétrico estiver ligado pode dar uma sobrecarga na bateria”, alerta o administrador da Casa da Bateria, Emerson Silva.

Enquanto lugares muito quentes diminuem sua vida útil, lugares muito frios mantêm a longevidade do equipamento, no entanto dificultam a partida. “Nos lugares mais frios os carros são vendidos com uma capa térmica para ajudar a manter a temperatura”, revela Emerson.

De olho

Na hora da substituição é importante verificar outros sistemas do carro que podem estar conectados com o funcionamento da bateria. O alternador deve estar gerando energia suficiente para o equipamento e o motor de partida em bom estado de funcionamento. É importante checar se não há nenhuma fuga de corrente tirando força da bateria, onde a máxima tolerada é de 70mA, acima disto pode interferir no desempenho. Sem falar que a queima frequente de fusíveis e lâmpadas de faróis é sinal que a bateria não foi instalada corretamente.

A aquisição de uma nova bateria tem que ser feita considerando o modelo e seguindo as especificações físicas e técnicas recomendadas pelo fabricante do veículo. É preciso observar o tamanho do equipamento e do compartimento em que ela encaixa. A peça antiga deve ser descartada em locais especializados, através de empresas capacitadas para fazer esse procedimento. Por conter chumbo, o material pode contaminar o meio ambiente.

 

 

Fique esperto:

  • Partida lenta pela manhã, funcionando normalmente o resto do dia;
  • Dificuldade de ligar o carro depois da utilização de acessórios elétricos;
  • Alta demanda do alternador após as partidas;
  • Dificuldade na partida após poucos dias sem funcionar o motor

Fique sabendo:

  • Clima quente diminui a vida útil da bateria;
  • Bateria descarregada por muito tempo pode sulfatar a peça;
  • Fazer o carro pegar no tranco não é aconselhável, o recomendável é utilizar uma “chupeta”;
  • Não ligar o carro com equipamentos elétricos ligados;
  • Clima muito frio atrapalha na hora de acionar a bateria;
  • Desligar som e farol economiza a bateria.

Deixe seu comentário

logo-footer

CURTA NOSSAS REDES SOCIAIS: